Dirigentes
Rapidinhas
Guia do Buscador - 26 anos de publicação - Terapias, Esoterismo, Ciência e Ocultismo
Terapias Alternativas no SUS: falta de informação é obstáculo para terapeutas e pacientes

Terapias Alternativas no SUS: falta de informação é obstáculo para terapeutas e pacientes



- “Fala sério isso é palhaçada, pessoas estão morrendo nas filas de hospitais e o povo preocupado com meditação”
- “E macumba? Quando será liberada no SUS?”
- “O SUS não consegue fazer o básico, vai fazer meditação? Aaaaaffffffff”

Sim, esses comentários são reais e ilustram bem a realidade das terapias alternativas no Brasil: mal interpretadas e desqualificadas. A matéria do Portal G1 sobre as novas técnicas que estarão presentes no SUS a partir deste ano causou um profundo incômodo nos leitores.

 O que, de fato, não é de se espantar. Relatadas superficialmente por grande parte da imprensa, desmoralizadas pelas religiões de massa, e, consequentemente, julgadas sem o menor conhecimento pela população, as terapias alternativas sofrem com o descrédito única e exclusivamente porque não conseguem quebrar a barreira da má comunicação que se estabeleceu entre elas e o público. E, assim, século após século vemos a história se repetir. Se ontem o alvo eram as bruxas, queimadas nas fogueiras, hoje, são os procedimentos naturais e alternativos que pagam o preço da ignorância.

Mesmo com a crescente procura pelas técnicas holísticas - só no ano passado, o SUS realizou mais de dois milhões de atendimentos - grande parte da população ainda demonstra total desconhecimento sobre os procedimentos, até mesmo quem se submete ao tratamento. Não é raro encontrar pessoas que fazem acupuntura, por exemplo, e não sabem ao certo como ela atua no organismo.

No Brasil, algumas técnicas como acupuntura, fitoterapia e homeopatia já integram o SUS (Sistema Único de Saúde) desde 2006 por meio da PNPIC (Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Já neste início de 2017, reiki, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia e quiropraxia também serão oferecidos gratuitamente à população.

Ao contrário do que muito se pensa, tratamentos alternativos não tem a pretensão de ocupar o lugar do tratamento médico convencional ou substituir medicamentos. As terapias holísticas atuam na prevenção de doenças, na promoção da saúde e na qualidade de vida. Ninguém aplica Reiki para curar um câncer, mas para reintegrar aquele ser à sua essência, recuperar seu bem-estar, autoestima e motivação. Terapeutas sérios não fazem promessas de cura, pois entendem que esse processo é individual e intransferível. A função do profissional é apenas conduzir o paciente ao autoconhecimento.  

A pergunta que fica é: como mudar esse cenário? Como levar esclarecimento à população e, principalmente, promover essas terapias de modo que cada vez mais pessoas possam se beneficiar delas? Já dizia o Mestre Jesus “a verdade vós libertará”. A verdade só pode chegar por um esforço constante de comunicação. Informar e informar. Quanto mais melhor. A imprensa, como formadora de opinião, tem um grande papel nessa luta dos terapeutas pelo reconhecimento de suas atividades e pela correta interpretação de cada uma dessas técnicas.

Quanto mais informação, mais conhecimento, mais credibilidade e respeito. Então, você que é terapeuta ajude a popularizar sua atividade, utilize fontes confiáveis ao replicar conteúdo na internet e, aos pouquinhos, vamos colocar as técnicas alternativas em um patamar de credibilidade e seriedade reconhecida por todos.

Texto colaboração de Anna Munhoz - Jornalista, Assessora de Imprensa e estudiosa da área alternativa e natural. Dirige a Namastê Comunicação, agência especializada em divulgar profissionais e espaços com foco na área holística, alternativa e sustentável junto à imprensa. Mais informações no site http://www.namastecomunicacao.com/ - Fevereiro 2017

Participe do grupo do Jornal O Legado no Facebook - clique aqui  

Você já leu a edição deste mês do Jornal O Legado? Clique aqui para ler

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380

Autoria

Texto colaboração de Anna Munhoz - Jornalista, Assessora de Imprensa e estudiosa da área alternativa e natural. Fevereiro 2017

Artigos Relacionados

Contato

+55 11 4411-6380

Formulário de contato

Guia do Buscador
  • Desde 1993 de atuação no
  • setor esotérico e das
  • terapias holísticas
Informativo