Artigos

Tamanho da letra

Mulheres que não conseguem ficar sem trair: como tratar?

A infidelidade sempre existiu. E, por muito tempo, esteve mais associada a um comportamento masculino. Houve um período em que, a atitude tipicamente masculina, era aceita como algo normal e, muitas mulheres por uma questão de submissão, sentiam-se obrigadas a aceitar essa condição, sem contestar! No entanto, o mundo passou por mudanças e a traição deixou de ser ‘coisa de homem’. “Com a liberdade sexual, as mulheres passaram a ser mais curiosas no que se refere à questão da sexualidade permitindo-lhes vivenciar mais aventuras”, diz a terapeuta e coach Erica Aidar.

De acordo com Erica, as mulheres estão mais desconfiadas do comportamento masculino e, por isso, acabam agindo como acreditam que seus parceiros agem: traindo. “O excesso de exposição em redes sociais, um mundo mais conectado e aberto são facilitadores para que as pessoas tenham menos apego aos seus relacionamentos”, reforça. E isso tem sido um estímulo para que algumas mulheres assumam a infidelidade, sendo que cada uma tem uma história, justificativa e até frustração que envolva este tipo de comportamento.

A terapeuta alerta que muitos fatores podem levar à traição feminina, porém a falta de atenção, baixa valorização do parceiro quanto à sua beleza e inteligência, a rotina sexual são situações que podem desencadear o interesse por buscar uma aventura fora do relacionamento. “Antigamente, as mulheres costumavam trair quando não se sentiam envolvidas emocionalmente. Hoje, isso mudou: o desejo puramente físico também existe para elas, embora a sociedade insista em romantizar o comportamento feminino”, alerta a especialista.

Para Erica, alguns perfis femininos costumam ter mais tendência à traição. São eles:  

• Menos comprometidas
• Mais vaidosas
• Carentes sexualmente
• Carentes afetivamente   

Segundo Erica, uma pessoa que insiste em trair seu parceiro pode buscar orientação especializada para controlar esse impulso. “Neste caso, temos de realizar um levantamento dos pensamentos e sentimentos que envolvem a traição e buscar substituí-los por uma mentalidade mais adequada ao estilo de vida que a paciente deseja alcançar”, explica.

Ela acrescenta ainda que um tratamento específico é indicado para os casos de distúrbio ou disfunção da sexualidade, que envolva algum tipo de compulsão sexual. “Entretanto, quando se quer parar de trair, porque se percebe um comportamento injustificado, imaturo, ou destrutivo há muito material para trabalhar dentro de um processo psicoterápico”, finaliza Erica.  







Texto de Sacha Silveira – Fonte: Erica Aidar - Terapeuta e Coach - 18 anos de experiência no atendimento de altos executivos, profissionais liberais, empresários, atletas e profissionais das artes cênicas da música www.ericaaidarcoach.com - Maio 2015


© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 
IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380
Artigos Relacionados
:.
:.
:.
:.
:.
Comentários