Artigos

Tamanho da letra

A falência da educação no Brasil



Gostaria de entender porque não há mais o conceito de educação familiar nesta nação. O que esses pais de adolescentes estão fazendo com seus filhos?
São, na grande maioria, esses adolescentes, netos e filhos de divorciados, crianças que já cresceram em ambientes de duplos pais, duplas mães, quádruplos avós paternais e maternais.
A verdade é que quase não se encontra, nas moças de hoje, uma pessoa consciente para a formação de uma família. Não sabem cozinhar, não sabem passar ou lavar a roupa, a louça e muito menos a costurar e a limpar uma casa.
Já os moços, fogem das responsabilidades de obterem um emprego e a construir um “pé de meia” para formar uma família. Têm homens com mais de 30 anos de idade sem trabalhar, vivendo às custas dos pais, e até de avós.
Estamos vivendo uma era onde a mulher e o homem trabalham para se auto-sustentarem. Na cabeça da grande maioria das moças existe a intenção de achar um homem rico para sustentá-las e têm outras que muitas das vezes são apoiadas pelas próprias mães, casam-se para “tomar toda a grana do otário”.
Nesse contexto, quem é que vai querer casar? Qual homem? Como construir uma família se a sociedade está pensando e agindo assim? Acreditem, é essa a nossa realidade.
Falta vergonha na “cara” dessas pessoas que são mal educadas e que tiveram suas personalidades distorcidas por exemplos de casamentos destruídos e pelas novelas das televisões que propagam a luxuria, achando que isso é normal.
Perdemos a base da religião e da educação escolar. Estamos vendo a degeneração do lar brasileiro e “ninguém” ajuda para mudar isso.
Nossas escolas são arcaicas, nossas leis enfraqueceram nossos educadores. As escolas não são modernas só por terem computadores e laboratórios com equipamentos de primeira geração. Elas estão ultrapassadas porque só ensinam o básico. Deveriam estar ensinando Educação, Civismo, Corte e costura, Culinária, Mecânica, Eletricidade, Eletrônica, Administração, Monetarismo, Jardinagem, Ecologia, Turismo, Oceanografia, Informática, Marketing...
Isso sim seria uma escola moderna, desde o primário com um foco na formação profissional e de sobrevivência cotidiana; sem citar o esporte com futebol, basquete, vôlei, xadrez, etc., criando-se campeonatos escolares municipais, estaduais e nacionais. Seria algo lindo!
Estaríamos formando jovens para projetar este País a torná-lo o maior exemplo do planeta. Estaríamos tirando nossos jovens das ruas, da letargia, das drogas, da falta de motivação...
O jovem quer mostrar os seus valores, mas para isso temos que criar as oportunidades.
Esses jovens concluiriam o segundo grau com uma bagagem de conhecimento totalmente diferente da que conhecemos; seriam eles futuros cientistas, saberiam perfeitamente qual a profissão que mais lhes agradariam e seguiriam na formação da carreira desejada em uma faculdade especializada.
Está na hora de reavaliarmos esses métodos antiquados de ensino que hoje só servem para tomar o tempo dos estudantes, não despertando nada neles.
É nítido o desânimo dos estudantes em ir para as escolas. Na cabeça deles, aquilo que estão aprendendo não serve para nada. Será que eles estão certos nisso?
Sei que uma moça, do curso secundário, não sabe cozer e nem cozinhar. Um moço não sabe distinguir um fio elétrico positivo do negativo, ou não sabe nem que na sua casa têm canos para água e muito menos como funcionam.
Quantos alunos não sentiriam prazer em ir para a escola se houvesse mais motivação?
Na minha época eu tinha aulas de artes. Nelas eu aprendi a usar desde o martelo até a um pincel de pintura de quadros. Não preciso falar que essa era a matéria que eu tirava as melhores notas. Era uma aula por semana, eu vibrava quando chegava esse dia. Levantava da cama disposto, alegre e cheio de idéias para colocar em prática.
Por que não temos mais isso? O que foi feito com nossa educação?
Será que nossos governantes têm medo de darem o ensino correto para nossos jovens, para que estes não tirem os cargos deles no futuro?
Será que nossos governantes querem uma nação burra e cheia de vagabundos e vagabundas?
Tudo isso que eu disse, logicamente existem exceções, existem famílias exemplares, existem escolas maravilhosas e cheias de boas vontades. Infelizmente são minorias.
Você que é pai e mãe, pense nisso tudo e veja se você já não é uma vítima dessa má educação. Você sabe pregar um botão? Você sabe cozinhar o arroz? Você sabe qual fio é o positivo e qual é o negativo? Para que lado a água corre no cano de sua casa?

Pense!












Texto de: Alberto Sugamele - JOL 0108


© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 
IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380
Artigos Relacionados
:.
:.
:.
:.
:.
Comentários