Psicologia

Tamanho da letra

Falar sobre a morte para consciência da vida

Em certa dinâmica de grupo no Projeto Bem Viver, surgiu o assunto da morte no final de nossa atividade. Uma senhora sugeriu para não terminarmos aquele encontro falando sobre a morte. Isso remeteu-me a pensar o quanto é difícil, mas também o quanto é importante tratar do tema: morte.
O medo da morte é um sentimento que a maioria das pessoas não pode suportar. Consciente ou inconscientemente, tentam afastar a idéia da morte. Negar a morte significa não permitir o confronto interno com tal ansiedade. A escritora Muriel Spark cita que gostaria de criar o hábito de pensar na morte todas as noites: “praticar a lembrança da morte intensifica a vida, sem o sentido sempre presente da morte a vida é insípida - é como viver só de clara de ovos”.
A conscientização de nossa mortalidade pode enriquecer o nosso amor pela vida. Dentro da vida há morte. As transformações sucessivas em nosso corpo e em nossa mente nos remetem ao contato com a vida e com a morte. É fato que desde bebê até adulto, passamos por inúmeras mudanças. Em meio a tantas mudanças, muitas vezes o sentido da vida empalidece por causa de sonhos desfeitos, ilusões perdidas, expectativas frustradas. Os momentos de depressão geram um isolamento e a visão de um novo projeto de vida torna-se impossível. No entanto, as crises são oportunidades para reflexão. Devo buscar agora um novo desafio e uma nova realização em minha vida? Uma fase morre para começar outra.
O medo da morte traduz a incapacidade humana para lidar com angústias. Porém, as angústias são inevitáveis, como por exemplo, tantas situações incertas e inesperadas que vivemos: morte de pessoas queridas, momentos de instabilidade profissional-desemprego, etc.
Existe uma forma saudável de tolerar as angústias: conversar. Numa conversa há a possibilidade de autoconhecimento reflexivo a respeito desta travessia entre o nascer e o morrer onde se encontra a nossa história pessoal. Uma história pessoal em constante movimento, com momentos dolorosos e com momentos alegres, mas em busca de harmonia. Como dizia Heráclito, filósofo grego: “Tudo se faz por contraste, da luta de contrários (vida-morte) nasce a mais bela harmonia”.





Texto de Regina Célia Pastore Mello


© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 
IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380
Artigos Relacionados
:.
:.
:.
:.
:.
Comentários