Corpo e Mente
Rapidinhas
Atibaia - cidade dos morangos
Procurando terapias leia o Jornal O Legado
Envelhecimento prejudica estruturas do ouvido

Envelhecimento prejudica estruturas do ouvido

Envelhecimento prejudica estruturas do ouvido e causa deficiência auditiva


O passar dos anos proporciona um acúmulo de experiências e conhecimentos, e o ser humano passa por um processo natural de envelhecimento físico: cada órgão é afetado de uma maneira diferente, mas todo o corpo passa pelas mudanças ditadas pelo relógio biológico. “A genética, o ambiente, a alimentação e as emoções influenciam o envelhecimento, acelerando ou retardando este processo. A audição é um dos sistemas que são alterados neste”, afirma a otorrinolaringologista e otoneurologista Rita de Cássia.

A deficiência auditiva na terceira idade é conhecida como Presbiacusia - A partir dos 50 anos, as células auditivas começam a encerrar seu ciclo de vida e o organismo não é capaz de repor as unidades celulares que morreram. “O resultado é perda de audição progressiva que ocorre de maneira lenta. Se estiver associado a outras doenças ou a hábitos que causam danos aos ouvidos, como a exposição intensa a ruídos, o uso de fones de ouvido ou de medicamentos tóxicos a audição, o quadro pode avançar para surdez”, explica a especialista.

O ouvido possui a parte externa, a média e a interna. A externa é composta pela orelha, pelo canal auditivo e pela membrana do tímpano. A abertura da tuba auditiva, o martelo, a bigorna e o estribo ficam localizados no ouvido médio. O labirinto, formado pela cóclea e pelo vestíbulo, fica na parte interna. “Dentro do labirinto há um líquido chamado endolinfa, que se movimenta e estimula as células sensoriais. Os estímulos servem para informar a posição do corpo no espaço. Quando as vibrações do ar chegam à cóclea, elas são transformadas em impulsos nervosos”, esclarece Rita.

Os impulsos passam pelo nervo auditivo e são enviados até o cérebro, responsável pela decodificação dos sinais e interpretação dos sons. Quando os sons não são ouvidos perfeitamente, há perda de audição, que pode ser classificada em leve, moderada e severa: “Os sons abaixo da faixa dos 40 decibéis não são detectados na perda leve e o indivíduo tem dificuldade para compreender a fala de outras pessoas. No nível moderado, a perda exige o uso de aparelho auditivo, já que os ouvidos não são capazes de ouvir sons abaixo de 70 decibéis”, ressalta.

Quando não é possível ouvir barulhos abaixo de 90 decibéis, a médica explica que a perda é severa e em alguns casos o aparelho auditivo não é suficiente para compensar o problema, sendo necessário o uso de linguagem gestual. Na perda profunda, o ouvido não capta os sons e a comunicação é feita por meio de leitura labial e gestos. “Ter uma boa audição é fundamental para a comunicação e para a segurança de uma pessoa, já que os sons também servem como sinal de alerta contra perigos. Os idosos com deficiência auditiva tendem a se isolar e a evitar participação na vida social”, observa.

Os principais sintomas da Presbiacusia são dificuldades para entender sons agudos - distinguir o “s” ou o “th” e o “z”, o “f” e o “v”, o “t” e o “d”-, maior facilidade para ouvir as vozes masculinas do que as femininas e a presença do zumbido: “A principal causa de zumbido é a perda de audição. Ao tratar a deficiência auditiva é possível promover qualidade de vida ao paciente, que além de ouvir melhor, conseguirá perceber menos o ruído. A realização de testes auditivos ajuda a identificar o tipo e o grau da perda, possibilitando o diagnóstico correto. O tratamento precoce é importante, pois evita que a situação se agrave”, finaliza a Dra. Rita de Cássia.


Fonte: Dra. Rita de Cássia Cassou Guimarães - Otorrinolaringologista, otoneurologista, mestre em clínica cirúrgica pela UFPR - Blog: http://canaldoouvido.blogspot.com
www.facebook.com/canaldoouvido?ref=hl  Email: ritaguimaraescwb@gmail.com
Telefone: (41) 3225-1665


Participe do grupo do Jornal O Legado no Facebook - clique aqui

 

Você já leu a edição deste mês do Jornal O Legado Corpo e Mente? Clique aqui para ler
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Quer ler a edição do mês passado? Clique aqui e leia gratuitamente.

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2019
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4418-6150

Autoria

Texto de Verônica Pacheco - Toda Comunicação - Janeiro 2019

Artigos Relacionados