Corpo e Mente
Rapidinhas
Atibaia - cidade dos morangos
Procurando terapias leia o Jornal O Legado
A saúde da trabalhadora e o papel das empresas na sua proteção

A saúde da trabalhadora e o papel das empresas na sua proteção



As empresas estão percebendo que a saúde da mulher é investimento e resulta em produtividade


A mulher tem conquistado cada vez mais destaque no mercado de trabalho. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), as mulheres estão mais presentes nas vagas de emprego, embora menos que os homens.

Um levantamento do então Ministério do Trabalho apontou o crescimento da ocupação feminina em postos formais de trabalho em 40,8% em 2007 para 44% em 2016. O percentual de mulheres do Brasil é de 51,03% da população, segundo indica o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), que ainda ressalta que a inclusão das mulheres no meio corporativo cresce cerca de 8,5%, enquanto a proporção dos homens é de apenas 2,2%.

A mulher protagoniza a sua história, e além de alcançar postos de trabalho inimagináveis no tempo de nossos avós, continuou desempenhando as mesmas atividades que sempre lhe foram atribuídas, como cuidar da casa e da família.

Com tantas responsabilidades e a cobrança de fazer sempre o melhor, a trabalhadora também está mais suscetível a doenças. E, a empresa que souber cuidar da saúde de seu contingente feminino, certamente terá esse benefício revertido em maior produtividade.

O conceito de “saúde” é bem diferente da ausência de doença. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), para uma pessoa estar saudável, é preciso ter o estado de bem-estar físico, mental e social, além dos valores adquiridos na coletividade, como o acesso ao lazer, moradia, educação e mobilidade urbana.

Doenças que mais acometem as mulheres e a responsabilidade da medicina no trabalho

É fato que as jornadas de trabalho maiores do que 40 horas semanais podem acarretar problemas físicos e emocionais sérios, para qualquer trabalhador. Mas as mulheres sofrem mais, pois estão mais propensas a desenvolver as doenças ocupacionais.

De acordo com Dr Ricardo Pacheco, médico, gestor em saúde e diretor da MGP Saúde, as mulheres trabalham fora de casa, realizam as tarefas domésticas (a dupla jornada) e acabam acumulando mais responsabilidades, fazendo com que se sintam pressionadas a cumprir seus papéis e, consequentemente, “culpadas” quando não suprem as expectativas pessoais e profissionais. “Além do mais, quando passam muito tempo executando tarefas laborais, elas acabam deixando de lado atividades que são essenciais para o seu bem-estar, como a prática de exercícios físicos e os momentos de lazer. Por isso é fundamental que haja atenção aos sintomas iniciais para que se busque a prevenção e o tratamento médico desde o início”.

Ele alerta sobre as doenças mais comuns entre as mulheres no trabalho. “Desde Ler/Dort, passando por enxaqueca, estresse, gastrite, ansiedade, depressão, fadiga crônica, endometriose, mioma, problemas cardíacos e alterações hormonais e psicológicas”.

O médico destaca a importância da Saúde Integral e Integrada na detecção precoce e tratamento das enfermidades das mulheres. “A empresa que protege a trabalhadora também ganha produtividade. A medicina do trabalho é fundamental na proteção desse contingente, promovendo a prevenção e o tratamento, diminuindo as ausências e o absenteísmo, resultando em trabalhadora feliz e maior produtividade”, afirma.

Para o Dr Ricardo Pacheco, as campanhas são importantes, mas ele adverte que a saúde da mulher é muito mais ampla que a conscientização para a prevenção do câncer de mama, por exemplo. “É preciso ter uma medicina voltada para prevenção da saúde como um todo. O câncer de colo de útero, por exemplo, em 2018 teve 16.370 novos casos, que poderiam, com a ajuda da medicina corporativa e assistencial, serem detectados precocemente e até evitados por meio de exames preventivos”, afirma Pacheco.

O médico lembra ainda, que ao contrário do que preconizam muitas empresas, oferecer um plano de saúde como benefício aos seus trabalhadores e trabalhadoras não é custo, é investimento. “O trabalhador assistido trabalha melhor, mais feliz e mais seguro, sabendo que ele e sua família estão protegidos. É possível escolher uma modalidade que caiba no orçamento da empresa e que atenda às necessidades dos seus colaboradores, reduzindo os afastamentos e o absenteísmo, que impacta diretamente na produtividade. Investir na saúde no trabalho é investimento de retorno líquido e certo”, completa o médico e gestor de saúde Ricardo Pacheco.

Participe do grupo do Jornal Excelsior no Facebook - clique aqui

Você já leu a edição deste mês do Jornal Excelsior? Clique aqui para ler

Quer ler a edição do mês passado? Clique aqui e leia gratuitamente.

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2019
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4418-6150

Autoria

Texto colaboração de assessoria de imprensa - Sandra Cunha - Novembro 2019

Artigos Relacionados